Chacina: 6 Jovens Mortos Na Chatuba Mesquita

Apuração Das Urnas Em Tempo Real Magé
Contagens Dos Votos Em Magé Tempo Real
Apuração De Votos Em Magé Em tempo Real

Notícias de Mesquita - Atualizada em 19 de Setembro 2012 - Chacina na Chatuba 

A Polícia Civil vai periciar a carroça apreendida, na tarde desta quarta-feira (19), na Favela da Chatuba, em Mesquita, na Baixada Fluminense. A polícia investiga se a carroça serviu para transportar os corpos dos adolescentes mortos na chacina da chatuba ocorrida em 8 de setembro.

“No dia da chacina da chatuba, a carroça estava dentro do quintal de um vizinho, onde fica sempre guardada”, afirmou o dono da carroça. Ele disse que trabalha como carroceiro há dez anos, fazendo pequenas mudanças e retirada de entulhos. “Há dois anos, trabalho transportando material de construção para uma loja de Nilópolis”, acrescentou o carroceiro, que preferiu não ter o nome revelado.

O carroceiro explicou que não entendeu porque Danilo Machado Valverde, de 27 anos, preso pela Polícia Militar na manhã desta quarta-feira (19), suspeito de transportar os corpos, afirmou que utilizou a carroça dele. “Ele (Danilo), também tem as carroças dele lá na Chatuba. Não entendi porque ele entregou a minha”, comentou o carroceiro.

Entretanto, um morador da Favela da Chatuba, que preferiu não se identificar, afirmou que traficantes já usaram carroças, à revelia dos donos delas, para fazer barricadas e impedir a entrada de policiais na comunidade. “Os traficantes pegam as carroças sem pedir. E quem vai dizer que não?”, contou ele.

Já o dono da carroça apreendida pela polícia está preocupado em como vai trabalhar nesta quinta-feira (20). “Eles me disseram que devem devolver a carroça amanhã (quinta-feira (20)). Comprei com muito sacrifício, com a ajuda do meu filho. Eu preciso dela para conseguir meu ganha-pão. É da carroça que tiro o meu sustento”, finalizou o carroceiro.
Preso pela manhã
Danilo Valverde, de 27 anos, é conhecido como “Químico” e “Carroceiro”. Ele é suspeito de transportar os corpos dos seis jovens assassinados na chacina da chatuba. Os adolescentes seguiam para a cachoeira do Parque do Gericinó, vizinho à Favela da Chatuba, quando foram surpreendidos pelos criminosos. Os corpos das vítimas foram encontrados próximo a Via Dutra.

Por volta das 18h30, o homem que seria o dono da carroça foi levado para a 53ª DP (Mesquita), onde presta esclarecimentos ao delegado responsável pela investigação do caso, Júlio da Silva Filho. O delegado não confirmou se a carroça foi utilizada pelos criminosos.
Preso suspeito de transportar corpos
Os agentes foram até a Chatuba após a prisão de Danilo Machado Valverde, de 27 anos, conhecido como Químico e o Carroceiro. Ele é suspeito de transportar os corpos dos seis jovens assassinados na chacina da chatuba. Os adolescentes seguiam para a cachoeira do Parque do Gericinó, vizinho à Favela da Chatuba, quando foram surpreendidos pelos criminosos. Os corpos das vítimas foram encontrados próximo a Via Dutra.
De acordo com a PM, com o preso foram encontrados celulares, fardas semelhante as do Exercito, carregadores de celular, um caderno com anotações do trafico e extratos bancários, no valor de R$ 20 mil. A polícia informou que o dinheiro foi depositado em contas com os nomes de várias mulheres e uma delas pode ser a companheira de Remilton Moura da Silva Junior, conhecido como “Juninho Cagão”, apontado como chefe do tráfico na Chatuba.



Recordando o Crime que chocou o Brasil - Chacina na Chatuba 

As investigações da polícia apontam para a participação de pelo menos 20 traficantes na chacina de seis jovens ocorrida na Favela da Chatuba, em Mesquita, Baixada Fluminense, segundo o delegado Júlio da Silva Filho, titular da 53ª DP (Mesquita). O delegado afirmou que, além do assassinato dos rapazes, os criminosos também seriam os responsáveis pela morte do pastor Alexandre Lima e de um aspirante a PM. A polícia também investiga o desaparecimento de José Aldecir da Silva, que acompanhava o pastor na comunidade.
O delegado disse que todas as mortes foram comandadas por Remilton Moura da Silva Júnior,  conhecido como Juninho Cagão, chefe do tráfico de drogas na Chatuba. Ainda segundo a polícia, há a hipótese de o PM ter sido torturado na área do parque pelo grupo criminoso.
Os seis jovens saíram de casa sábado (9), em Nilópolis, na Baixada Fluminense, para ir a uma cachoeira que fica próxima à Favela da Chatuba, em Mesquita, e também ao Campo de Gericinó, área militar do Exército Brasileiro. Os corpos foram encontrados nesta manhã com tiros e facadas em uma área perto da Via Dutra, em Jacutinga. 
De acordo com o delegado, os seis jovens teriam sido mortos por morarem em uma comunidade pertencente à facção criminosa rival à dos traficantes da Chatuba. Júlio da Silva Filho informou ainda que o pastor e José Aldecir teriam sido executados por não atender à ordem dos criminosos de se afastarem do local no momento da execução do PM.
Segundo o delegado, a chacina dos seis jovens e a possível execução dos outros três homens são dois crimes separados.
A polícia ainda está à procura de José Aldecir da Silva e do pastor Alexandro Lima. Os dois caminhavam no Parque de Gericinó, ambos ouvindo música.
Agentes da Polícia Civil apreenderam, na tarde desta segunda-feira (10), peças de roupas que podem ser dos seis adolescentes mortos: tênis, chinelos, um casaco, short, camiseta e uma almofada. Parentes dos jovens devem comparecer à delegacia nesta terça-feira (11) para o reconhecimento das roupas, que estavam sujas de terra, na localidade da Biquinha. No local, também foram apreendidas cápsulas de fuzil.
Nesta segunda-feira (10), o delegado ouviu cerca de dez pessoas sobre o caso. Ainda de acordo com ele, a polícia ainda não descarta a hipótese de que os jovens podem ter sido mortos devido à música que um deles estaria ouvindo, que faria apologia a uma facção criminosa rival dos traficantes.
O delegado comentou ainda que é uma rivalidade antiga que existe entre traficantes do Cabral, que é região onde os jovens moravam em Nilópolis, e do morro da Chatuba, em Mesquita.
Para irmão de morto, jovem foi confundido com traficante na chacina da Chatuba 
O irmão mais velho de Patrick Machado, de 16 anos, um dos seis jovens assassinados no sábado, no Parque de Gericinó, afirmou que os adolescentes foram confundidos com traficantes rivais aos da Favela da Chatuba. “Pegaram os garotos pensando que eram ‘os alemão’ (sic) invadindo a Chatuba”, contou o irmão.
“A gente foi até a Chatuba desenrolar com o gerente da boca de fumo da favela. Ele disse que os meninos foram confundidos com traficantes”, contou o irmão, que não quis se identificar. Ele disse que, na hora, não sentiu medo, e só queria saber onde estava o irmão menor. “Meu irmão estava sumido para o lado de lá, perto da favela. Então, eu fui buscar meu irmão”, contou ele, que disse ter ido à Chatuba acompanhado de parentes dos outros jovens, e que não sofreu ameaças ou represálias dos traficantes. “Eles (os traficantes) não queriam ver a polícia invadindo a Chatuba”, explicou o irmão.
No sábado (8), os seis jovens saíram de casa, em Nilópolis, Baixada Fluminense, para ir a uma cachoeira no Parque de Gericinó. Os corpos dos rapazes foram encontrados na manhã desta segunda-feira (10), por três pedreiros que realizam a ampliação da Rodovia Presidente Dutra, em Jacutinga, Mesquita, também na Baixada.
Dentro do Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro, uma parente de Glauber Siqueira, de 17 anos, outro dos jovens mortos, não quis dar entrevista, mas disse que os seis eram muito amigos: “Eles eram como irmãos”, limitou-se a dizer, com os olhos cheios de lágrimas.
O coordenador do programa Segundo Tempo, no bairro Cabral, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, confirmou que os seis meninos eram muito amigos. “Eram tranquilos. Os seis garotos participavam de tudo, de todas as atividades do projeto. Adoravam principalmente jogar futebol”, contou o coordenador, que preferiu não se identificar. O Segundo Tempo é um projeto do Ministério dos Esportes voltado para crianças, adolescentes e jovens expostos a riscos sociais.
Entretanto, o coordenador afirmou que a cachoeira onde os meninos estavam era uma área perigosa. “O único problema é que eles foram para uma cachoeira de outra área, que eles entraram, e não era para ter entrado”, disse ele. “A cachoeira fica em Mesquita, mas você entra por dentro de Nilópolis”, complementou o coordenador.
Dois presos na chacina da Chatuba
A polícia prendeu, na tarde desta segunda-feira (10), dois homens durante operação que busca os assassinos dos seis jovens mortos no Parque de Gericinó. Segundo policiais da 53ª DP (Mesquita), os suspeitos, identificados como Romário Aguiar Vieira, de 18 anos, e Henrique José de Oliveira, de 32 anos, estavam com papelotes de cocaína, mas a quantidade não foi revelada.
A prisão foi feita por homens do Batalhão de Choque (BPChoque) da Polícia Militar. De acordo com os policiais, até as 16h não havia confiirmação de que os dois suspeitos tenham relação com a chacina dos seis rapazes.
A operação policial está sendo realizada no Parque de Gericinó, próximo à Favela da Chatuba, em Mesquita. A ação vai apurar ainda a denúncia de que outras pessoas desaparecidas estariam em poder dos traficantes.
Eles eram como irmãos’, diz parente
Os jovens mortos tinham ido a uma cachoeira no parque. Segundo a delegada Sandra Ornellas, da 57ª DP (Nilópolis), onde inicialmente o caso foi registrado, os bandidos que estão fazendo vítimas na região devem ser da Favela do Chapadão, na Pavuna, no subúrbio do Rio, e teriam deixado a comunidade após a ocupação da polícia.
O que causou a chacina na Chatuba
Segundo informações do RJTV, os jovens moravam numa comunidade dominada por traficantes de uma facção rival à da área da cachoeira e a polícia investiga se um dos celulares dos jovens tivesse com uma música que fizesse referência à outra facção.
Sandra informou também que há indícios de que, antes de os corpos serem deixados no local onde foram encontrados, eles teriam sido enterrados em outro lugar. A perícia teria encontrado areia sobre a pele das vítimas, identificadas pela Polícia Civil como Christian Vieira, de 19 anos; Victor Hugo Costa, Douglas Ribeiro e Glauber Siqueira, de 17; e Josias Searles e Patrick Machado, de 16.
Os corpos dos jovens estavam lado a lado, enrolados em lençóis, nus, amordaçados e com sinais de facadas e marcas de tiro, na Rua Dona Delfina Borges. Eles foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) do Rio para reconhecimento e, em seguida, foram levados para a Santa Casa do município para a preparação dos cadáveres.
Fonte: G1
Sergio Cabral, deveria parar de olhar somente para a cidade do rio ocupações de UPP por lá servem para na realidade os vagabundos não atrapalharem os eventos que estão vindo COPA 2014 e RIO 2016, enquanto isso Trafico migra de um lugar para outro e deixa suas vitimas marcadas por sangue. Magé, Piabetá e Fragoso  Raiz da Serra já sofreram tentativas de invasão do trafico de drogas por conta dessa migração, estão tentando esconder o lixo para debaixo do tapete. 
A chacina da Chatuba entrou como triste episodio e logo dará lugar a uma nova atrocidade, se continuar assim os vagabundos vão construir verdadeiros impérios com a ajudinha da omissão na segurança publica no estado do Rio de Janeiro, vamos preparar as grades para vivermos trancados por que essa é infelizmente  a nossa nova, não tão nova assim triste realidade. 
COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA :

+ comentários + 1 comentários

26 de setembro de 2012 13:18

Fiquei chocado com o que aconteceu! A Bíblia diz que o mundo sem Deus está subjugado pelo maligno. A atitude desses criminosos foi um ato impulsionado pelo demônio. A palavra de Deus diz que o diabo veio senão a roubar, a matar, e a destruir vidas. Somente uma transformação plena através do evangelho da paz pode remover tamanha maldade em alguns corações. Eu me solidarizo com as famílias enlutadas e fico na torcida para que atos insanos desse tipo não se repitam nunca mais!

Postar um comentário


AVISO
O "Notícias de Magé" coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas publicações. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.
Contamos com a educação e bom senso dos nossos leitores para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. No entanto esclarecemos que as opiniões aqui expressadas não são de responsabilidade do site mas dos internautas. Somos neutros, deixe seu comentário sobre esta publicação que com certeza publicaremos, criticas, sugestões e outros assuntos pertinentes. Para entrar em contato envie-nos um e-mail para ( noticiasdemage@gmail.com ) Obrigado!

Total de visualizações de página

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

 
Support : Criação de sites | M R O Mídia | M R O Mídia
Copyright © 2011. Notícias de Magé Online | NDM - Guapimirim - Caxias | - Todos os direitos reservados
Crie seu site Criar loja virtual M R O Lojas M R O Mídia
Desevolvimento M R O Online